Skip to content

Raiva

2 novembro, 2010

Raiva. Dá raiva.

Botafogo a 6 pontos do líder. Depois de uma sequência de 8 empates, onde 4 deles foram ridículos. Se tivéssemos ganho 3 deles, seríamos o líder. O time que só perdeu 5 vezes no campeonato.

Não é pra ter raiva? Pontos entregues de bobeira que agora fazem falta.

E se for acrescentar as lesões que tiraram Maicosuel, que deixaram Marcelo Mattos de fora por algum tempo… e ainda assim, o time soube se virar com as poucas peças que tinha. Méritos ao Joel. Méritos à uma equipe esforçada. Isso não falta a esse time. Esforço.

E há quem tenha coragem de vaiar Lúcio Flávio, que tanto já fez pelo clube. Além do bom jogador que foi é, parece ser excelente profissional.

Por fim, ainda podemos acreditar, quem diria, em título! Embora acho difícil, pois depende de tropeços de adversários, e de todas as nossas vitórias. Mas a Libertadores tá aí. A mais próxima dos últimos muitos anos.

O time da virada. Ou não.

30 outubro, 2010

Eu não vou comentar o jogo. Você viu o papelão que o Vasco fez diante do Vitória da Bahia no Barradão.

Eu tava mesmo era esperando as esfarrapadas, porque essas sempre aparecem. Vamos a elas?

Nossa equipe entrou com sono e tomamos três gols. Voltamos para o segundo tempo mais motivados, fizemos o gol, mas levamos outro logo em seguida. Agora é trabalhar para o próximo jogo. – Nunes

Valeu, Nunes. Era sono? Juro que era sucessão de passes errados, Jadson e Jumar batendo cabeça e em menos de um minuto o primeiro gol do Vitória. Aí bateu aquele desespero, e tomaram mais dois em seguida. Não, essa de sono não colou.

A gente tomou um gol muito cedo. Isso dificultou. A gente teve que sair para o jogo e eles esperaram nosso time e jogaram no contra-ataque. Conseguiram marcar assim. – Eder Luis

É mesmo? Jurava que o Vasco era “o time da virada, o time do amor” e que sempre resolveu isso fácil, fácil. Acontece, Eder, que vocês não seguraram a pressão. Penso que talvez tenham subestimado o Vitória e achado que ficar só no toque de bola ia matar a partida. Afinal, um empate a mais ou a menos não faz diferença, né? Fez. A raça do Vitória fez a diferença. E, claro, Prass em dia de Robert Green (lembra desse?) também.

Senhores, eu (ainda) acredito em vocês. Mas, pra garantir: Nunes, durma bem antes do jogo contra o Prudente e Eder, se liga caso uma virada seja necessária. Prass, troca a lente, por favor.

Resgatem a confiança que a torcida sempre teve no time que não foge à luta, não se entrega, e vence de virada qualquer obstáculo que enfrenta.

Fonte das desculpas declarações: globoesporte.com

O ano já pode acabar

19 outubro, 2010

Prass renovou. Mais três anos. Já pensa até em terminar carreira no Vasco.

Suspirei fundo e fiquei aliviado. Por mim, o ano já pode terminar do jeitinho que está. Na verdade, só tenho mais um pedido ao Papai Noel Dinamite: mantém o Rodrigo Caetano. No mais, estou mais que satisfeito.

Perdendo ou ganhando (nunca empatando), estou muito feliz com o time do meu coração.

O que fica de bom

19 outubro, 2010

Berna foi o titular do Flu contra o Botafogo

Pela primeira vez fui ao Engenhão depois dos Jogos Pan-americanos. Com a folga que ganhei no Domingo não pensei duas vezes e decidi: vou até lá ver o meu time! A primeira (e única) vez em que tinha visto o Fluminense enfrentar o Botafogo havia sido em 2005, no Raulino de Oliveira. E ganhamos por 3 a 1. Eu iria encontrar lá uma amiga pé quente. Juntas, só vitórias. Peguei a camisa que só tinha usado contra o Vitória e – supersticiosa como uma alvinegra – fui, confiante. Na pior das hipóteses, continuo invicta contra o Botafogo, com a amiga e com a camisa. Mas o empate sem gols foi decepcionante, claro. Com a derrota do Cruzeiro, uma vitória nos daria a liderança de volta. Mas não foi bem assim.

E se em campo teve um festival de erros, algo de bom ficou. Minutos antes de a partida começar o placar mostrou a escalação do Fluminense, que começou com Ricardo Berna. Um susto, mas um grande alívio. Depois de ver o Rafael bebendo na Beija-Flor três dias antes, apoiei logo a decisão do técnico Muricy Ramalho.

Confesso que não estava segura. Até aí não muda muito, já que o até então goleiro titular deixa qualquer tricolor tendo taquicardia a cada hora que a bola chega na área. Mas com o Berna ao menos a gente podia ter a esperança de ver uma atuação melhor. Se ele não teve uma atuação espetacular, também não comprometeu. E fez até boas defesas. Exceto a demora para repor a bola em jogo (satisfeito com o empate?), foi bem. Por mim, fica.

O Fluminense, ao longo do Brasileirão, usou seus três goleiros. Rafael começou como titular, mas levou uma (santa) pancada na testa e perdeu a vaga para Fernando Henrique, que entrou bem e fez bonito por muito tempo. E então ele fraturou o dedo e entrou de férias. Agora, Berna aparece pra dar uma esperança. Após o jogo ele disse que a esposa está grávida da primeira filha, Manuela, e que isso serve de motivação. Que assim seja!

Subindo a ladeira

18 outubro, 2010

Vanderlei Luxemburgo chegou ao Flamengo e deu novo ânimo à equipe. O que rola nos treinos e no vestiário não se sabe, o que rola nos jogos é visível: parece que os jogadores tiraram de dentro dos meiões alguma vontade a mais de jogar. Até Val Baiano fez gol! E fez três!

No último pôste que deixei aqui perguntava se Luxemburgo seria a solução. Ainda fica a dúvida, mas é inegável que esteja mais eficaz que o último técnico. Em três jogos já conseguiu mais vitória que Silas em dez..

Sábado, no Engenhão, o time rubro-negro, no primeiro tempo dava espaço para o Internacional (que esconde o jogo para o mundial de clubes), mas partia veloz ao retomar a bola. Já no segundo, Luxemburgo parece ter adiantado o time, ocupado melhor o campo. Passa a impressão de estar dando uma nossa feição tática ao Mengão que era meio amorfo na era Silas. Fato é que o Flamengo, enfim, não tomou gol, e marcou três em uma só partida. A sensação clara que o torcedor tem é de uma evolução.

A 13ª posição na tabela ainda é muito tímida, mas suficiente pra esquecer o drama de zona de rebaixamento e já proporciona a ambição de escalar postos.

Será que vivemos uma arrancada tardia? Que venha o time da colina.

Ainda temos sorte?

17 outubro, 2010

O Botafogo brigava pela liderança. Torcedores se animaram, compareceram. O time tinha um dos melhores ataques. A sequencia de vitórias, em casa e fora. A dor de cabeça pra escalar jogadores, visto que bons teriam que ficar de fora. Edno, Abreu, Caio… o ataque era alvo de uma disputa constante por vagas. Só o Botafogo se beneficiava disso.

E então vieram também as lesões. E eu, e muitos, nos perguntamos: Azar? Perdendo jogadores por meses! Um zagueiro, um meia e um atacante, a espinha dorsal, de fora até o ano que vem. Vieram os empates, a falta de gols, ou os que levamos no final, depois de estar ganhando. Azar?

Leia mais…

Uma vitória pra deixar o vascaíno puto

14 outubro, 2010
tags:
by

O Vasco jogou tão bem como jogou Sábado, contra o Grêmio. Fernando Prass seguro, Cesinha e Dedé sem complicar muito, meio-campo em losango, com Jumar ou Rafael Carioca fazendo proteção à zaga, o outro compondo o lado esquerdo, Fellype Bastos pelo lado direito e Felipe na ponta ofensiva do losango, em ótima fase. Na frente, Zé Roberto e Éder (jogando absurdamente bem) se movimentando bem.

O que vem irritando são as laterais. A direita nem tanto, já que o Fagner tem mandado bem e o Max, que é o reserva imediato, dá uns moles de vez em quando, mas tem futuro. Aliás, nem na direita ele tava jogando. Vinha na esquerda. E lá é que tá complicado.

Nem preciso falar mais das lesões de Ramon. O reserva imediato era o Carlinhos, que é novo e até então não tinha tido uma atuação convincente. Aí o Max rendeu alguma coisa ali, mas vejam só vocês que surpresa, se machucou também. Até Jumar parou na lateral esquerda. Mas o mundo dá voltas e quem aparece por lá novamente? Ele. Ernani. E como não quero ficar lembrando das besteiras que ele fez contra o Grêmio, não vou falar sobre esse cidadão. E ontem foi a vez de Carlinhos novamente. E foi bem. Espero que mantenha a boa fase, até porque só assim o Ernani se mantém longe do time titular do Vasco.

E porque o vascaíno tem o direito de se emputecer? Porque o time tem potencial. Vou listas só os empates babacas:

  • Vasco 3 x 3 Grêmio
  • Botafogo 2 x 2 Vasco
  • Vasco 1 x 1 Avaí
  • Vasco 1 x 1 Galo
  • Vasco 1 x 1 Cruzeiro

De 15 pontos em jogo, conquistamos 5. Se tivéssemos perdido um, empatado outro e ganho 3, eram 10 pontinhos na conta. Ou seja, 5 a mais que os 5 conquistados. Aí hoje estaríamos com 46, coladinho com o Inter. O Botafogo que tem só 44 tem muita chance. Até porque as vagas pra Libertadores pro Brasil via Brasileirão podem aumentar pra 4. E olha que nem tô considerando, por exemplo, o jogo contra o Palmeiras fora e o contra o Flu, que foi difícil. E nem considerando nada pré-Copa.